MENU

domingo, 1 de setembro de 2013

Aliança de Sangue parte 4

Dízimo, uma prática bíblica a ser observada, Lv. 27:30-34

Há uma enxurrada de comentários tendenciosos e distorcidos circulando as redes sociais, em nossos dias, atacando a doutrina dos dízimos. Acusam os pastores que ensinam essa doutrina de infiéis e aproveitadores. Acusam as igrejas que recebem os dízimos de explorar o povo. Outros, jeitosamente, tentam descaracterizar o dízimo, afirmando que essa prática não tem amparo no Novo Testamento. Tentam limitar o dízimo apenas ao Velho Testamento, afirmando que ele é da lei e não vigente no tempo da graça.
A bíblia ensina que o dizimo é santo. Santo é aquilo que é separado, então nossos dízimos quando separados para Deus tornam-se santos.
Algumas verdades sobre o dizimo:
Dizimo não é barganha: Dizimo não barganhar com Deus no toma lá  dá cá, isto é um absurdo. Dizimo é fidelidade a palavra de Deus.
Dizimo não torna ninguém rico: Muitos falsos pregadores colocam o dizimo como uma ferramenta para adquirir riquezas e isto não é verdade.
Deus promete repreender o devorador, e suprir nossas necessidades, isto é prosperidade.
Dizimo é cooperar com o crescimento do reino de Deus: Nem uma igreja consegue se manter sem dinheiro, Deus sabendo disto instituiu o dizimo para que sua obra fosse sustentada.
Dizimo é gratidão a Deus pelo o que Deus fez e faz em mim: Se eu sou a grato a Deus pela salvação que ele me deu de graça, pela a cura, bênção em minha casa preciso participar para que outras pessoas também sejam alcançadas.
Preciso ter o desejo que minha igreja cresça e se multiplique, e sem dinheiro isto é simplesmente impossível.
Segundo Malaquias capitulo três, dizimo é uma aliança com Deus onde Deus estabeleceu dizendo para entregar em sua casa o dizimo e em contra partida ele reprenderia o devorador e nos permitiu privá-lo.

Em primeiro lugar, a prática do dízimo antecede à lei. Aqueles que se recusam ser dizimistas pelo fato de o dízimo ser apenas da lei estão rotundamente equivocados. O dízimo é um princípio espiritual presente entre o povo de Deus desde os tempos mais remotos. Abraão pagou o dízimo a Malquizedeque (Gn 14.20) e Jacó prometeu pagar o dízimo ao Senhor (Gn 28.22), muito antes da lei ser instituída.

Em segundo lugar, a prática do dízimo foi sancionada na lei. O princípio que governava o povo de Deus antes da lei, foi ratificado na lei. Agora, há um preceito claro e uma ordem específica para se trazer todos os dízimos ao Senhor (Lv 27.32). Não entregar o dízimo é transgredir a lei, e a transgressão da lei constitui-se em pecado (1Jo 3.4).

Em terceiro lugar, a prática do dízimo está presente em toda Bíblia. A fidelidade na mordomia dos bens, a entrega fiel dos dízimos e das ofertas, é um ensino claro em toda a Bíblia. Está presente no Pentateuco, os livros da lei; está presente nos livros históricos (Ne 13.11,12), poéticos (Pv 3.9,10) e proféticos (Ml 3.8-10). Também está explicitamente ratificado nos evangelhos (Mt 23.23) e nas epístolas (Hb 7.8). Quanto ao dízimo não podemos subestimá-lo, sua inobservância é um roubo a Deus. Não podemos subtraí-lo, pois a Escritura é clara em dizer que devemos trazer “todos os dízimos”. Não podemos administrá-lo, pois a ordem: “Trazei todos os dízimos à casa do tesouro”.

Em quarto lugar, a prática do dízimo é sancionada por Jesus no Novo Testamento. Os fariseus superestimavam o dízimo, fazendo de sua prática, uma espécie de amuleto. Eram rigorosos em sua observância, mas negligenciam os preceitos mais importantes da lei: a justiça, a misericórdia e a fé. Jesus, deixa claro que devemos observar atentamente a prática dessas virtudes cardeais da fé cristã, sem omitir a entrega dos dízimos (Mt 23.23). Ora, aqueles que usam o argumento de que o dízimo é da lei, e por estarmos debaixo da graça, estamos isentos de observá-lo; da mesma forma, estariam também isentos da justiça, da misericórdia e da fé, porque essas virtudes cardeais, também, são da lei. Só o pensar assim, já seria uma tragédia!

Em quinto lugar, a prática do dízimo é um preceito divino que não pode ser alterado ao longo dos séculos. Muitas igrejas querem adotar os princípios estabelecidos pelo apóstolo Paulo no levantamento da coleta para os pobres da Judéia como substituto para o dízimo. Isso é um equívoco. O texto de 2 Coríntios 8 e 9 trata de uma oferta específica, para uma causa específica. Paulo jamais teve o propósito de que essas orientações fossem um substituto para a prática do dízimo. Há igrejas na Europa e na América do Norte que estabelecem uma cota para cada família para cumprir o orçamento da igreja. Então, por serem endinheirados, reduzem essa contribuição a 5% ou 3% do rendimento. Tem a igreja competência para mudar um preceito divino? Mil vezes não! Importa-nos obedecer a Deus do que aos homens. Permaneçamos fiéis às Escrituras. Sejamos fiéis dizimistas!


C. Ser dizimista é uma questão de amor e fidelidade ao Senhor, assim como a santa ceia significa lembrar de uma aliança com Jesus, o dizimo significa renovo de uma aliança de prosperidade.

PALAVRA DE VIDA